Portal Literário

A entrada para uma nova literatura!!!!

Textos

Crônicas Adolescentes - Patinadoras - Texto 6

     Ao longo de uma vida, as pessoas sempre procuram desempenhar atividades ou aprender novas habilidades que lhes apeteçam. Como o ser humano é suscetível, positivamente falando, ele modifica suas prioridades ao longo dos tempos de acordo com o rumo que suas vidas vão tomando.
     Rafaela é uma excelente patinadora e, junto à atividade esportiva, ela mantém uma banda na qual é vocalista e guitarrista. A composição de sua banda é feita por ela, Bianca, a baixista, Stephanie, a tecladista e Jennifer, a baterista. Todas amigas há anos. Bianca ainda estuda no Colégio Santos Dumont, enquanto Stephanie estuda Direito e Jennifer faz Biologia, as duas na UFRJ. Mesmo com atividades intensas em suas áreas, elas encontram tempo para ensaiar e, de vez em quando, tocar nas festas dos amigos.
     Sábado 14:00 hrs. Lucca, Sophia e Bruna chegam à casa de Rafa a fim de participarem da pequena reunião de amigos que a bela patinadora organizou.
     Como de praxe, Lucca, conhecido e adorado pela mãe de Rafa, recebe um abraço e um beijo demorados da senhora.
-
     Ah, meu genro predileto.
     Bruna cora imediatamente, além de ficar “fula” da vida. Sophia segura sua mão e sussurra que ela se acalme.
-
     Tia Inês, é uma pena eu ser seu genro preferido sem ser, mas Rafa é quase minha irmã.
-
     Eu sei disso, meu lindo. Phi, tudo bom meu amor?
-
     Claro, tia Inês.
-
     E você bonitinha, quem é?
-
     Esta, tia Inês, é a Bruna, minha namorada.
-
     Namorada? Ai meu Deus, que gafe eu fiz. Bruna me perdoa, eu gosto muito do Lu, e sempre torci para ele namorar a Rafa, mas eles são apenas amigos. Te magoei?
-
     Nã, não, dona Inês. Sem problemas.
-
     Está bem querida, desculpa. Vamos entrar, por favor.
     Os três adolescentes entram e seguem direto para o terraço onde a banda faz ajustes nos instrumentos. Rafaela para o que está fazendo e vem recebê-los.
-
     Oi Lu, Phi, Bruna. Fiquem à vontade.
-
     Tranquilo Rafa. Somos de casa não se preocupe.
-
     Cadê o Xande, Rafa, ele vem?
-
     Eu convidei, mas ele não deu certeza.
-
     Eu disse a ele que se ele quer algo sério com você, Rafa, tem que se comportar direitinho senão ele vai se entender comigo.
-
     Ah Lu, sempre protetor.
-
     É, sempre protetor. – diz Bruna irônica.
     Percebendo que o clima entre o casalzinho vai pesar, Sophia e Rafaela se afastam na direção das outras patinadoras que acabam de chegar, Yasmim e Amanda.
-
     O que houve Bruna?
-
     Tirando o que a dona Inês falou? Que por ela você já estaria até casado com a Rafa?
-
     Rafa é minha irmã, Bruna.
-
     Ela é filha do seu pai ou da sua mãe?
-
     Que isso? Eu nunca vi você agir assim.
-
     Ah, eu não gostei do que a mãe dela falou.
-
     Bruna, eu gosto de você. Não ligue para as coisas que você ouviu. A tia Inês é um doce. Ela só quis expressar o desejo dela, que não é o meu nem o da Rafa.
-
     Jura?
-
     Claro, juro.
     Lucca dá um beijo na testa de Bruna e ela o abraça.
-
     Fica tranquila, tá?
     A menina apenas assente com a cabeça encostada no peito do jovem patinador. Envolvidos no clima, agora de paixão eles são surpreendidos por Xande, o nadador que está interessado em Rafaela, eles rapidamente o cumprimentam e seguem para a mesa onde Sophia já se encontra, pois a banda já vai começar a tocar e Lucca percebe a irmã desligando e escondendo o celular. Ele senta e se aproxima de seu ouvido.
-
     Falando com quem?
-
     Curioso é? Ninguém especial. Vamos ouvir a banda da Rafa.
     As meninas soltam os primeiros acordes e quando Rafa entra cantando, Lucca e Sophia se surpreendem ao descobrir que a letra da música é o poema que Lucca dera a Rafaela no meio da semana. A linha musical da banda não é exatamente a romântica, mas o arranjo ficou tão bom que o gênero acabou ganhando um bom espaço no repertório das meninas.
     Na sequencia do ensaio, Xande vai ficando mais e mais admirado não só com a beleza de Rafa bem como com seu talento para a música. A voz da menina penetra fundo em sua alma e a mensagem que cada uma de suas músicas emite é como um chamado apaixonado de uma sereia para ele. Se ele já estava enredado pela beleza da menina agora então nada mais há a esconder. Lucca dá-lhe um leve cutucão com o cotovelo.
-
     Acorda mané. Tá de boca aberta há mais de dez minutos.
-
     Não tem como Lucca. Ela não é apenas linda, ela é apaixonante. Ela canta como uma sereia.
-
     Ah tá, e você quer ser o tritão dela. Não cuida dela com carinho pra você ver o que arruma comigo.
-
     Não precisa se preocupar. Vamos ouvi-la.
-
     Gente esta será nossa última música. Nós a compusemos esta semana. Esta é pra você Lu.
     Se o clima tenso entre Lucca e Bruna estava melhorando agora ele desandou de vez. A música composta por Rafaela e Bianca durante a semana fala de um amor quase impossível numa tocada estilo Evanescence. A letra subjetiva não diz que se trata de um homem e uma mulher. Lucca entende a que se refere Rafa ao dizer que a música é para ele. Um situação passada entre ele e a prima dela um tempo atrás, antes dela se mudar para os Estados Unidos, mas que somente ele, sua irmã e Rafa sabiam. O rapaz não se chateia embora seja algo que ainda o atormente, mas entende o que diz a música em suas últimas letras, mas a questão em suspenso é que Bruna não sabe de nada e a jovenzinha que normalmente fica vermelha como um pimentão de vergonha desta vez está vermelha de raiva, pois para ela é como se a música dissesse algo entre Rafa e Lucca. Um grande e problemático imbróglio. Até Xande que estava totalmente enamorado por Rafa saiu de seu transe e franziu a testa.
     A música termina e palmas burocráticas por parte de Sophia e das outras meninas ressoam no imenso silêncio do terraço. Xande é o primeiro a levantar.
-
     Legal seu ensaio Rafa, mas está na minha hora. Tenho que estudar. Tchau.
-
     Como assim? Eu pensei que…
-
     Desculpa, eu lembrei agora há pouco. To indo. Tchau.
     Xande não oferece sequer um cumprimento a Rafa e sai rapidamente do terraço e da casa sob o olhar atônito da jovem. Em contrapartida Lucca e Bruna parecem estar em meio a uma discussão bem acalorada próximo a escada do terraço.
-
     O que está havendo, Phi?
-
     Foi a música, Rafa. Ninguém sabe o que ela quer dizer além de mim, você e Lucca. E eu duvido que ele vá contar alguma coisa para alguém, mesmo para a Bruna. E o Xande entendeu tão errado quanto ela.
-
     Meu Deus, o que eu fiz?
-
     Não esquenta. Com o Xande talvez dê para contornar contando a verdade, o que me preocupa está ali. - ela aponta para Lucca e Bruna.
     As duas meninas veem a discussão chegar ao fim com Bruna dando as costas a Lucca e ele se vira para a irmã buscando o consolo da gêmea. Ela segue até ele e o abraça.
-
     Você não contou para ela, não é?
-
     Não. Isso é algo meu. Ninguém precisa saber.
-
     O que você disse a ela?
-
     Que se ela não acredita em mim então não adianta namorarmos.
-
     Ai Lu, você poderia ter sido mais maleável.
-
     Você acha mesmo? - pergunta ele em tom de ironia.
-
     Não. Você tem razão, ou existe confiança ou não existe nada.
-
     Desculpa Lu. Não foi minha intenção. - diz Rafa se aproximando.
-
     Não esquenta Rafinha. Isso acontece. Você não teve a intenção eu sei disso. A música é bonita e me lembra algumas coisas, mas numa relação tem que existir confiança.
-
     E o que você vai fazer?
-
     Não sei. E você? O Alexandre saiu aborrecido.
-
     Se você não se incomodar, para ele eu vou contar toda a história.
-
     Não tem problema. Se for para vocês ficarem bem, não há problema.
-
     Minha mãe tem uma ótima receita para quando temos alguns problemas assim.
-
     Sorvete?
-
     Sim. Vão descendo enquanto falo com as meninas. Todas elas devem estar sem entender nada até agora. Eu encontro vocês lá embaixo.
-
     Tudo bem.
-
     E então Lu, você sabe como vai resolver isso?
-
     Vou fazer como dizia nosso bisavô, Phi, vou dar tempo ao tempo. Vamos lá tomar um sorvete com a tia Inês.
     Enquanto os gêmeos descem, Rafaela agradece a presença das meninas no ensaio e convida todas a tomarem um sorvete na cozinha com sua mãe. Amanda, que percebeu o ocorrido com Lucca e Bruna, vislumbra uma chance de entrar na possível brecha aberta na armadura do rapaz. Pode não ser uma atitude muito louvável, mas na guerra e no amor vale tudo, já dissera alguém num passado não tão distante.
     Uma das coisas que as pessoas aprendem no decorrer dos anos ao longo de seu crescimento é que tudo muda muito rápido de acordo com os acontecimentos. Namoros começam e acabam com a mesma velocidade. Mal entendidos ocasionam rupturas em relações antes inabaláveis. Temperamentos costumam influenciar positiva e negativamente em decisões, não dizendo que as tornam erradas ou certas, mas as modificam. A única certeza na vida é que ainda que se atinja a idade adulta e se imagine estar maduro o suficiente para entender ou tomar a melhor decisão, ninguém tem certeza absoluta quanto ao que fazer sobre assunto nenhum, muito menos nossos belos adolescentes. Problemas sempre irão existir e cabe a eles começarem a aprender qual a decisão a ser tomada, mais ou menos arriscada não se pode mensurar, mas a que melhor irá deixar sua consciência no futuro. Só nos resta aguardar o que virá por aí.
Léo Rodrigues
Enviado por Léo Rodrigues em 09/12/2015
Alterado em 10/12/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Crônicas Adolescentes - Patinadoras Léo Rodrigues R$3,80 Crônicas Adolescentes - Patinadoras Léo Rodrigues R$40,59 Perseguição Implacável!!! - A volta de Anders... Léo Rodrigues R$3,09 Perseguição Implacável!!! - A volta de Anders... Léo Rodrigues USD7,34
Um homem chamado Anderson Ramos Léo Rodrigues R$3,82 Um homem chamado Anderson Ramos Léo Rodrigues USD15,99 Valarys Léo Rodrigues R$3,22 Valarys Léo Rodrigues USD17,60